Blog de mp-arruda/ Achados e Perdidos- Contos recontados.
  Herdeiros

 

Os pássaros saltam mais alto do que a altura total de um prédio. Principalmente os herdeiros dos dinossauros. Eles saltam. Eles pulam. Cravejam suas unhas na crosta dos seus inimigos. Eles pulam. Eles saltam. Tacam seus dentes nas asas dos outros. Eles pulam. Eles saltam. Morde quem os persegue. Ao anoitecer se recolhem aos ninhos e absorvem as sobras deste mundo inexistente. Adormecem sonhando serem bonzinhos. Ora, ora!

 



Escrito por Mara Paulina Arruda às 18h56
[] [envie esta mensagem] []


 
  Flor da pele

Shemin, Kien, Yuan-K’i Wang viveram entre 1592 a 1715 na China. De linhagem artística desenharam e pintaram flores e cerejeiras. Comunhão com a natureza, o bailar das folhas levadas pelo vento. Nos seus ateliês estendiam a seda sobre a mesa. Riscavam com precisão os ramos das árvores, a delicadeza das flores, o movimento das estações. Posso vê-los aqui no século XXI por intermédio da imaginação. E, passeando nas ruas de New York, nos sinais de um descendente, com sua máquina fotográfica buscando a perspectiva do dia. Não há cerejeiras mas o perfume das flores ele carrega dentro de si.



Escrito por Mara Paulina Arruda às 08h11
[] [envie esta mensagem] []


 
  Presente

 

Ela estava na praia. O contador chegou trazendo numa sacola um cachorrinho. Cheio de trejeitos disse que era um presente. Ela correu até o mar. Deu um mergulho, dois e três até suspender a respiração. Ficou tão feliz, feliz... Quando voltou a areia sacudiu o pêlo e entrou de bico na sacola.

 



Escrito por Mara Paulina Arruda às 11h35
[] [envie esta mensagem] []


 
  Passagem

Zum! Ele enviou um coração via rede social. Ela e os moradores de rua. Dias frios. Surpresa aquele coração no meio do caos. Passaram outros. Um  abanar de mão. O reflexo no vidro. Uma mulher de cabelos pintados na superfície da tela. Um beija-flor bicou-a na sombra da janela. Zum! Viajante no ciberspaço.



Escrito por Mara Paulina Arruda às 09h05
[] [envie esta mensagem] []


 
  Nem

Poeta, o  jardineiro gostava de pintar. Peixe esquecido. Nadou nas margens. Cidades vizinhas. Catou gravetos. Um e outro a cada ano ou dois. Muito esforço. Já disse que nadar é preciso. Ele nem era.



Escrito por Mara Paulina Arruda às 11h02
[] [envie esta mensagem] []


 
  Retrovisor

Ela vendia Avon. A gente dela uns incompreensíveis, para não dizer outra coisa. Darwin. Evolução. Seleção natural. Caída de uma cachoeira. Tantas coisas que nem dava para explicar a si mesma, ali, dentro do taxi, no trajeto da sua casa a casa da cliente. As crianças esperavam que a noite ela chegasse recheada de pães para o café da noite. O motorista do taxi estacionou no endereço indicado. Ao sair do carro preparou-se para explicar. As mulheres; mesmo se a corrente for o seu contrário. Não se perder na estrada.

 



Escrito por Mara Paulina Arruda às 09h43
[] [envie esta mensagem] []


 
  Espaço triangular

 

O prato estava um espetáculo. Espinhas de sardinhas se acumulavam quando a campainha soou. Quem será a esta hora? No rádio You are make Sun... Ao abrir à porta a melodia pôs-se a frente perguntando se ele era inteligente para entender do espaço que ultrapassava:

Mares, rios, canyons, estradas, montanhas, planícies, cidades, vales... simplificado numa semente.  

Sentou-se a mesa comigo.

 

 



Escrito por Mara Paulina Arruda às 14h59
[] [envie esta mensagem] []


 
  Anéis de Saturno

 

Conheci Saturno. Ele também tinha muitos anéis. As pessoas faziam graça com o nome dele. Ele pouco importava. Estivemos juntos na rodoviária. E, falamos das nossas tolices humanas.  Conversa vai conversa vem chegamos as mandalas de Carl Gustav Jung. Ele sorrindo disse que recortou de um livro comprado no sebo. Dei-lhe um beijo. Agradeci as horas passadas com quem tem tantos anéis para dividir comigo.

Ele seguiu viagem.

 

 



Escrito por Mara Paulina Arruda às 09h36
[] [envie esta mensagem] []


 
  Gato Angorá

 

Então aqui morou um gato?

Foi a pergunta que ela fez ao corretor.O corretor ficou sem jeito, não sabia se confirmava ou desconfirmava...Confirmou dizendo que era um gato Angorá tratado a pão-de-ló... Sim. Me parece que tinha muitos pêlos, disse a compradora do imóvel direcionando o olhar para o chão que estava coberto por um plano macio. Com cuidado passou pelo canto da sala. Abriu a janela. O vento enveredou abruptamente. Os pêlos brancos e pretos do gato voaram compondo no ar a imagem de um espírito real.

 

 

 



Escrito por Mara Paulina Arruda às 09h00
[] [envie esta mensagem] []


 
  Sete

Sete coelhinhos dependurados pelas orelhas secavam ao sol. A pelúcia reluzia. O papagaio assobiava na gaiola. Na chegada dele todos silenciaram. Não mediu  palavras. Disse ríspido que o pai tinha ido embora. A mãe olhou por cima dos óculos.  Os olhos dos bichos marejavam e ficou proibido desde aquele dia tratá-los como bichos inanimados.



Escrito por Mara Paulina Arruda às 09h29
[] [envie esta mensagem] []


 
  Folhas

 

Muitos outonos passaram pelos meus olhos.

O filho do pescador ensinava a pescar.

A mulher vendia blusas e frutas.

O músico apresentava uma fatia fina de um ritmo indiano.

O vento sul batia no rosto de todos nós

E, nós, a ver folhas amareladas caírem,

Se espalharem

Pelas calçadas.

 

 



Escrito por Mara Paulina Arruda às 16h54
[] [envie esta mensagem] []


 
  Tem sol lá fora?

 

-Tem sol lá fora?

Foi à pergunta que a vendedora me fez antes de passar as minhas compras.  Eu disse que sim. Ela sorriu. Abaixou os olhos para o leitor de código de barras e começou a  passar os produtos.

Sorriu novamente quando viu o Cd do U2. Disse que não saberia dizer de onde viera esse gosto musical que tinha.  Fiquei calada. Admirava seus olhos castanhos no jeito mignon.

Enquanto passava as compras falou de uma desconhecida que encontrou cedo em frente ao prédio onde mora. Ela comia restos que estavam no lixeiro. Foi por isso que ela perguntou se lá fora havia sol. Dentro dela era um dia escuro e triste.

 

 



Escrito por Mara Paulina Arruda às 18h22
[] [envie esta mensagem] []


 
  Evolução

Antigamente era assim: encilhava o cavalo, jogava o poncho nas costas, mirava os campos e o tempo; saia pra lida. Hoje acontece assim: veste a jaqueta, mira o ininterrupto do trânsito, ajeita o capacete, sobe na moto, acelera e segue pra lida.



Escrito por Mara Paulina Arruda às 19h46
[] [envie esta mensagem] []


 
  Cartas

Cartas de tarô.

Ana Cristina lia.

Cataratas vinham.

Som  de violancelo. 



Escrito por Mara Paulina Arruda às 14h06
[] [envie esta mensagem] []


 
 

Moradia.

Num bairro elegante na geografia dele.



Escrito por Mara Paulina Arruda às 10h03
[] [envie esta mensagem] []


 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]  
 
 



Meu perfil
BRASIL, Sul, Mulher, Arte e cultura, Livros, História
MSN - mp.arruda@bol.com.br


HISTÓRICO



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 casa de paragens
 Escritores do Sul
 www.revista.agulha.nom.br
 www.poetasnosingular.blogspot.com
 http://caderno.josesaramago.org/
 www.gargantadaserpente.com/
 www.cronopios.com.br
 Internetaleph - la vida y la obra de Jorge Luis Borges." target="_blank">Internetaleph - la vida y la obra de Jorge Luis Borges.
 denisepoeta.blog.terra.com.br
 raulealiteratura.blogspot.com
 rauleacriticaliteraria.blogspot.com
 Notícias de três linhas
 projecto clarice
 www.diariodeumapaulistana.blogspot.com
 www.aedoscuritibanos.blogspot.com
 www.jorgeledesma.com.ar
 www.algumapoesia.com.br/poesia2/poesia net 157.htm
 www.armazenadamentepoetico.blogspot.com
 www.revistamacondo.wordpress.com
 xicosa.folha.blog.uol.com.br/
 wwwprofmaraearte.blogspot.com
 www.jottasantana.wordpress.com
 www.poesia-pau.blogspot.com
 www.romerioromulo.wordpress.com
 www.shangri-la-spirit.blogspot.com
 www.luiscardosofonseca.blogspot.com
 www.revistaosiris.wordpress.com


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!